A melhor cerveja do mundo

Desde que me formei Sommelier de Cervejas pelo SENAC/Doemens, uma pergunta que vivo ouvindo é: “na sua opinião, qual a melhor cerveja do mundo?”
De cara minha resposta é sempre: depende da proposta e de uma série de fatores.
Nunca me esqueço de um amigo, grande apreciador de cervejas e viajado pelos 4 cantos do mundo, me dizendo que a melhor cerveja que ele tomou na vida foi uma Brahma “trincando” de tão gelada, na praia de Itacaré, na Bahia, com os pés na areia, comendo um camarãozinho bem fritinho, na companhia da mulher que ele considerava a companheira perfeita pra viver o resto da vida.

Vejam vocês, a cerveja perfeita dele, de especial só tinha a temperatura – bem gelada – o que nem é uma grande vantagem para vários estilos. Mas ele estava num lugar paradisíaco, com o clima favorável, comendo um petisco delicioso na companhia da mulher dos sonhos dele. Cenário mais que perfeito pra se dizer que aquela foi a melhor cerveja que ele já bebeu em toda sua vida.

Quando a gente começa a enveredar pelo mundo das cervejas especiais e diferenciadas, acaba passando por certas fases de preferência, deste ou daquele estilo. Eu, por exemplo, já fui um enorme defensor das Pilseners alemãs e checas; depois foram as Weiss: nessa fase eu só bebia essas maravilhosas cervejas de trigo, em qualquer ocasião. Transitei no território das inglesas, escocesas e irlandesas, mais escuras, muitas vezes envelhecidas em tonéis de madeira onde já repousou um belo scotch e menos carbonatadas, ou mesmo das maravilhosas Pale Ale ou IPA dessa escola. Evidentemente, passei pela fase das belgas: complexas, ricas, deliciosas, enfim, cervejas para todos os gostos. Hoje eu posso dizer que aprecio vários e vários rótulos, das mais diversas escolas, incluindo as cervejas italianas, australianas, as deliciosas e extremas americanas e as fantásticas cervejas produzidas no Brasil pelas pequenas cervejarias, ou mesmo pelos criativos home brewers brazucas.

Mas voltando à questão que coloquei ali no início. Afinal de contas qual ou quais seriam as melhores cervejas do mundo? Não quero nem de longe menosprezar o exímio trabalho dos mestres cervejeiros que se esmeram para desenvolver seus maravilhosos rótulos, mas eu responderia com uma palavra: depende. Depende da ocasião, da companhia, do local onde se vai beber, do espírito da gente naquele dia, de aspectos culturais e sociais, da harmonização oferecida – se essa for a proposta da degustação –  enfim, depende de tudo isso e de outras coisas mais. É muito subjetiva essa análise e seria no mínimo imprudente e antiético citar um rótulo e detrimento de outros.

Na realidade, posso dizer sem medo de errar que a melhor cerveja do mundo é aquela que estaremos bebendo na ocasião perfeita, numa bela companhia, em um ambiente maravilhoso em um local muito bem escolhido. Sempre haverá uma para atender cada diferente proposta. Basta a gente se desarmar de preconceitos e se permitir novas experiências.

Baci a tutti
Luiz Caropreso

Share
This entry was posted in Cervejas, Uncategorized. Bookmark the permalink.

Comments are closed.